domingo, junho 16, 2024
spot_img
HomeÁREA DE COBERTURACampos VerdesAdolescentes são identificados como autores de ameaça de massacre em escolas de...

Adolescentes são identificados como autores de ameaça de massacre em escolas de três cidades, diz delegada

Em Inhumas, os estudantes escreveram a ameaça na parede de um banheiro. Em redes sociais, os estudantes combinavam ataques também em Iporá e Campos Verdes.

Três adolescentes foram identificados como autores de supostos massacres anunciados em escolas de Goiás. O primeiro foi identificado de forma mais rápida em um colégio estadual de Inhumas, onde os estudantes escreveram a ameaça na parede de um banheiro (foto acima).

De acordo com o alerta, o massacre aconteceria em 29 de março deste ano, mas foi impedido antes pela Polícia Civil.

A delegada Silvana Nunes contou que a partir da ameaça em Inhumas, foram identificados mais dois supostos ataques em Iporá e Campos Verdes. Os alunos estavam combinando os massacres pelas redes sociais, como uma espécie de desafio.

Os estudantes de Inhumas têm 13 anos de idade e estão no 8º ano do ensino fundamental. A polícia começou a monitorar as redes sociais desses alunos logo após o aviso do massacre.

A investigação usou a câmera de segurança da escola para identificar os alunos que entraram no banheiro antes da ameaça ser escrita na parede. Foram identificados 49 estudantes e três assumiram a ameaça.

“Eles falaram que foi uma brincadeira e que não seria feito nada. Um tem perfil em rede social onde se intitula como faccionado. Essa geração é virtual. Eles combinavam essa ação conjunta por meio de rede social, como se fosse um desafio de ataque a três escolas”, destacou a delegada.

A Secretaria Estadual de Educação (Seduc) disse que ssim que as ameaças foram identificadas, a gestora da unidade escolar tomou as medidas conforme o Protocolo de Segurança Escolar, adotado desde 2019 na rede pública estadual de ensino, informando à Polícia e lavrando boletim de ocorrência.

O Núcleo de Segurança e Saúde do Servidor e do Estudante da Seduc também foi acionado. A secretaria disse que a equipe promoverá rodas de conversa e escuta ativa de estudantes, professores e servidores, envolvendo toda a comunidade escolar.

“Esses meninos têm muita informação, mas ainda não tem maturidade para filtrar o certo e o errado”, comentou a delegada. Essas ações foram despertadas por conversas entre os adolescentes em aplicativos. Crianças e adolescentes têm que ser monitorados pelos pais para saber o que eles estão fazendo na internet”, pontua Silvana Nunes.

FONTE: G1

NOTÍCIAS SIMILIARES

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

PUBLICIDADE

spot_imgspot_imgspot_img

spot_img

spot_imgspot_imgspot_img

spot_imgspot_imgspot_img

NOTÍCIAS RELEVANTES

Comentários Recentes