quinta-feira, junho 20, 2024
spot_img
HomeCrimeCaso Ariane: assim como Raíssa, Jeferson Cavalcante responsabiliza menor pelo crime

Caso Ariane: assim como Raíssa, Jeferson Cavalcante responsabiliza menor pelo crime

Segundo o réu, a adolescente afirmou que mataria ele e a família dele, caso não participasse.

Jeferson Cavalcante Rodrigues, outro acusado de participar do assassinato de Ariane Bárbara, também colocou a responsabilidade do crime na menor apreendida. Segundo o réu, a adolescente afirmou que mataria ele e a família dele, caso não participasse.

A menor teria mostrado a localização da casa dele e afirmado que o pai dela era traficante em Brasília. Além disso, também teria dito que a mãe tinha passagens pela polícia.

Antes, Raissa declarou que a menor foi quem escolheu a vítima e planejou o crime. “Primeiro ela falou pra eu escolher a vítima e eu não escolhi, [então] ela escolheu. O plano era eu enforcar ela [Ariane]. De noite, ela deu cocaína para a gente cheirar para dar mais coragem. O Jeferson buscou, buscou a Freya e quem mandou a mensagem foi a menor, chamando a Ariane”, disse ela ao júri.

Vale citar, em março deste ano, a Justiça já julgou um dos acusados do assassinato. Trata-se de Enzo Jacomini Carneiro Matos, condenado a 15 anos de prisão, sendo 14 anos de reclusão pelo crime de homicídio e 1 ano pelo crime de ocultação de cadáver.

Conhecido como Freya (nome social), ele foi o único dos acusados julgados naquela data. As defesas de Raíssa e Jeferson Cavalcante alegaram não haver tempo hábil para que pudessem se inteirar do assunto. O dia do julgamento deles, contudo, chegou.

Caso Ariane Bárbara: relembre o crime

A vítima foi encontrada morta em uma mata no setor Jaó, em Goiânia, após sair para encontrar com os amigos. De acordo com a denúncia, o homicídio ocorreu por volta das 21 horas de 24 de agosto de 2021.

Segundo a investigação, Jeferson, Raíssa, Enzo e uma menor conheceram Ariane por frequentarem uma pista de skate pública em Goiânia. Raíssa, então, decidiu realizar um” teste prático” com ela mesma, a fim de averiguar se possuía psicopatia, se colocando à prova quanto à coragem para tirar friamente a vida de um ser humano e não sentir remorsos.

Diante disso, Jeferson, Enzo e a adolescente resolveram auxiliar Raíssa a executar o plano dela. O grupo chamou a vítima para um passeio com lanche e afirmou que levaria a vítima de volta para casa em seguida. Porém, mataram-na no trajeto.

Ariane foi colocada no banco de trás do carro, entre a adolescente e Raíssa. Jeferson passou a dirigir pela cidade e, em determinado momento, colocou para tocar uma música e estalou os dedos, sinais esses previamente pactuados como indicativos do momento em que a execução deveria começar.

Imediatamente, Raíssa tentou estrangular Ariane, mas a força empregada foi insuficiente. Ainda, com o veículo em movimento, Enzo trocou de assento com Raíssa e passou a enforcar a vítima pelas costas, golpe conhecido por “mata-leão”, fazendo com que Ariane desmaiasse.

Raíssa voltou para o banco de trás, quando ela e a menor pegaram facas, que estavam guardadas em um compartimento atrás do banco do motorista, e efetuaram diversos golpes em Ariane, causando-lhe lesões corporais que evoluíram para a morte dela.

Após matarem a vítima, Jeferson parou o veículo para que Raíssa e a menor colocassem o corpo dela no porta-malas. Enzo indicou um matagal que era de seu conhecimento, situado no Setor Jaó, como sendo um lugar propício para desovarem o cadáver da jovem. Ao chegarem no destino, os denunciados carregaram o corpo de Ariane na mata e lá o cobriram de terra e pedras. Depois de esconderem o cadáver, eles foram até um banheiro público localizado na galeria Pátio do Lago, para se limparem, e, em seguida, pararam para lanchar.

FONTE: MAIS GOIÁS

NOTÍCIAS SIMILIARES

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

PUBLICIDADE

spot_imgspot_imgspot_img

spot_img

spot_imgspot_imgspot_img

spot_imgspot_imgspot_img

NOTÍCIAS RELEVANTES

Comentários Recentes