quinta-feira, junho 20, 2024
spot_img
HomeBoas notíciasEscola aceita plástico como pagamento e ensina crianças a reciclar

Escola aceita plástico como pagamento e ensina crianças a reciclar

Pensando na sustentabilidade, uma escola na Índia aceita apenas plástico como pagamento das mensalidades e ainda ensina os alunos a reciclar o lixo. Bacana demais, né?

Os idealizadores da Escola Akshar, em Assam, são Parmita Sarma e Mazin Mukthar. Juntos, eles têm ajudado crianças carentes a terem acesso à educação, ao mesmo tempo em que contribuem para o meio ambiente.

“Queríamos fazer com que a próxima geração de setores desfavorecidos quebrasse o círculo da pobreza e fosse ambientalmente sensível. A educação é a única maneira de alcançar esses objetivos”, disse Parmita.

Pagamento em troca de plástico

No início, o casal teve dificuldade para conseguir espalhar a ideia junto aos 150 alunos da escola.

Agora, todas as sextas-feiras os estudantes se reúnem no pátio com embalagens plásticas e garrafas que conseguiram juntar durante a semana.

“Pedimos a todos que recolhessem plástico durante toda a semana e trouxessem pelo menos 25 peças de até o final da semana. Inicialmente, ninguém nos levou a sério. Quando lhes dissemos que essa era a taxa, os estudantes lentamente começaram a trazer o material”, explicou a idealizadora.

Converte plástico em tijolos ecológicos

O material recolhido pelas crianças e adolescentes é reciclado na usina ecológica que fica no campus.

“A fábrica recicla o máximo de plástico e os converte em tijolos ecológicos, que são usados em construções menores dentro e ao redor da escola”, contou Parmita.

Ao todo, 2.330 garrafas de plástico e 7.19.700 embalagens plásticas já foram recolhidas pelos profissionais da Escola Akshar.

O plástico reciclado na própria escola é reaproveitado em objetos e construções no próprio local. Foto: Reprodução/Akshar Foundation.

Como surgiu a ideia

A ideia de reciclar veio depois de uma conversa com as crianças.

“Eles nos disseram que queimam sacos plásticos e garrafas durante o inverno para se manter aquecidas. Isso foi alarmante e decidimos que isso precisava acabar”, disse a mulher.

Foi lançada, então, a semente para a criação de uma educação acessível e conscientizadora.

Empregar os estudantes

Tudo começou com 10 alunos. Os aldeões da região não queriam que seus filhos estudassem. “Eles queriam que as crianças trabalhassem, demorou muito para convencer os estudantes a irem para a escola”.

O projeto foi crescendo e, aos poucos, eles foram conseguindo cada vez mais alunos. A grande sacada foi empregar os estudantes para realizar trabalhos na própria escola.

“À medida que os alunos passam para uma classe superior, contratamos os mais adequados para ensinar as classes inferiores sob supervisão. Dessa forma, eles têm motivação para estudar bem e se tornarem ‘professores’, além de ganhar uma mesada.

“Recuperar o atraso”

A escola segue um modelo bem diferente do tradicional. Lá, os estudantes não são divididos por idade, mas sim pelas aptidões que cada um tem.

“Colocamos os alunos nas séries com base em um teste de aptidão. Então, se um aluno se destaca em matemática do 6° padrão, é lá que ele estudará. Mas caso se sinta mais confortável com ciências do 3° padrão, então seu foco vai estar nisso”, contou Parmita.

Essa abordagem, segundo ela, proporciona uma oportunidade para os alunos mais velhos que não puderam frequentar a escola mais cedo, devido à pobreza.

“Eles podem recuperar o atraso e aprender no próprio ritmo. Isso também nos ajuda a nos conectar muito bem com as crianças mais velhas”, explicou a coordenadora do projeto.

A medida que vão progredindo, alunos mais velhos viram mentores dos mais novos. Foto: Reprodução/Akshar Fondation.

Alunos aprovam

Tudo isso é muito bem aproveitado pelos alunos, que adoram a experiência da escola que aceita plástico como pagamento e ensina a reciclar o material recolhido.

Yuvraj Kashyap ingressou na escola em 2018 e ficou surpreso com o currículo oferecido e a política de taxas.

“Foi uma verdadeira mudança de paradigma em todos os sentidos. O currículo estava muito longe do que eu havia experimentado na minha escola anterior. Eles não estão interessados em encher nossas cabeças com fatos; eles se dedicam a nutrir nosso crescimento holístico”, contou o aluno.

A parceria entre o casal deu tão certo que em 2021 eles assinaram um memorando com o governo estadual para replicar o modelo educacional em cinco escolas públicas da região.

Agora, 14 escolas de Assam já tem modelo parecido, e Parmita e Mazin querem, até o final de 2025, expandir a educação inclusiva para mais 200 escolas.

FONTE: SÓ NOTÍCIA BOA

NOTÍCIAS SIMILIARES

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

PUBLICIDADE

spot_imgspot_imgspot_img

spot_img

spot_imgspot_imgspot_img

spot_imgspot_imgspot_img

NOTÍCIAS RELEVANTES

Comentários Recentes